Uncategorized

10 coisas que muitos pensam ser lindas para carros tunados, mas que devem ser evitadas

Você já se deparou com carros tunados que acabam chamando mais a atenção pelas modificações duvidosas do que pela beleza ou potência? Aquelas alterações que muitos consideram extremamente exageradas e que acabam por deixar os carros mais suscetíveis a passar vergonha do que a se destacar positivamente? Neste artigo, vamos listar 10 dessas modificações que estão longe de serem consideradas lindas e que, na verdade, devem ser evitadas se o objetivo é não passar vergonha por aí.

1. Travas de capô: Um acessório originalmente de carros altamente preparados, que deixaram de ter os componentes originais de fixação do capô, mas que hoje em dia são encontrados nos mais variados carros potentes 1.0. No entanto, a impressão que passa é que o carro está preparado apenas pelo barulho do escapamento “aberto”, quando na verdade não é o caso.

2. Rodas orbitais em carros comuns: Essa roda pode ser muito bonita se aplicada no modelo certo, mas quando é colocada em um carro que deve estar totalmente original, sem rebaixamento da suspensão, acaba destoando muito e deixando o visual comprometido. Por exemplo, utilizar rodas orbitais em um Chevette pode não ser a melhor escolha.

3. Neon: A época do neon já passou, mas ainda existem pessoas que insistem em utilizar esse acessório. Na maioria das vezes, o neon acaba por deixar o veículo ainda mais cafona do que antes. Além disso, iluminar a rua com luzes de neon azuis enquanto se está dirigindo pode criar distrações perigosas e desnecessárias.

4. Lanternas coloridas: Carros que utilizam lanternas coloridas, principalmente quando substituem os faróis acesos por elas, acabam se tornando um perigo ambulante, além de ser uma prática contra a lei de trânsito. A visibilidade reduzida proporcionada por essas lanternas coloridas pode causar acidentes graves.

5. Rebaixamento extremo: Os carros rebaixados ao extremo, ao ponto de praticamente raspar no chão, podem ser visualmente impactantes, mas trazem consigo uma série de problemas, como danos à estrutura do veículo e segurança comprometida para quem está dentro e fora do carro. Além disso, é uma prática que não leva em consideração a comodidade e segurança dos futuros proprietários do veículo.

6. Rodas muito grandes: Utilizar rodas muito maiores do que as originais pode dar um aspecto mais esportivo ao veículo, desde que seja feita de forma equilibrada. No entanto, o exagero nessa modificação pode resultar em problemas como a impossibilidade de passar em determinados locais e um aumento considerável no custo de troca dos pneus.

7. Filme escuro nos vidros: Utilizar um filme escuro demais nos vidros do carro pode prejudicar significativamente a visibilidade do motorista, principalmente durante a noite. Além disso, é uma prática que coloca em risco a segurança pessoal e de terceiros, já que reduz a capacidade de enxergar e restringe a visão do condutor.

8. Tapetes de alumínio: Conhecidos como “tapetes de busão”, esses acessórios podem parecer extravagantes para alguns, mas são considerados ridículos por muitos. Além de não trazerem benefícios práticos significativos, podem, na verdade, comprometer a segurança e o conforto dos ocupantes do veículo.

9. Aerofoils: O uso de aerofólios em carros populares que jamais chegarão à velocidade necessária para obter benefícios aerodinâmicos é uma modificação que pode ser considerada exagerada e pouco funcional. No final das contas, o aerofólio acaba servindo apenas como um elemento estético desnecessário.

10. Interior excessivamente personalizado: Personalizar o interior do carro pode ser uma forma de expressar estilo, mas quando feito de maneira exagerada, pode tornar o veículo completamente deselegante. O uso de neon no interior, combinando com a cor da pintura e outros exageros, geralmente torna o visual do carro forçado e desagradável.

Em resumo, antes de realizar modificações no seu carro, é importante ponderar se elas são realmente funcionais e esteticamente agradáveis, ou se podem acabar comprometendo o desempenho, segurança e a estética do veículo.