Uncategorized

A Importância dos Amortecedores e sua Evolução na Indústria Automotiva

Muito se fala por aí sobre o amortecedor, aquela peça importante da suspensão de nossos carros, que amortece os impactos e as oscilações da carroceria. O amortecedor controla a movimentação das molas da suspensão e mantém os pneus em contato permanente com o solo, proporcionado estabilidade e boa dirigibilidade. Passar por lombadas ou valetas com o veículo na diagonal pode ocasionar folgas excessivas, ruídos, empenamentos e até mesmo o travamento total dos amortecedores. Além disso, trocar apenas um dos amortecedores de cada par (dianteiro ou traseiro) pode resultar em desequilíbrio e prejudicar a dirigibilidade do carro, sendo ideal substituir os quatro amortecedores em conjunto, ou ao menos os pares em cada eixo. O prazo médio para a verificação dos amortecedores é indicado em torno de 30.000 km, podendo variar de acordo com as condições de uso do automóvel. Amortecedores ineficientes aumentam sensivelmente a distância de frenagem do veículo. Peças recondicionadas podem não ter eficiência, sendo recomendável optar por marcas conceituadas no mercado. Amortecedores ineficientes comprometem a segurança do veículo ao não garantir o contato permanente entre o pneu e o solo, permitindo a formação de uma camada de água que interfere na segurança. Além disso, aumentam a distância de aquaplanagem e podem contribuir para um aumento significativo do cansaço do motorista, aumentando o risco de acidentes. Amortecedores em más condições comprometem a dirigibilidade, provocando balanços, trepidações excessivas e causando oscilações nos faróis, podendo ofuscar a visão do condutor e causar acidentes. August F. Meyer, fundador da Monroe, criou o amortecedor em 1926. Inicialmente, o sistema para controlar o movimento das molas do veículo era feito por meio mecânico, mas posteriormente evoluiu para um sistema hidráulico. Com o passar dos anos, os amortecedores evoluíram incluindo sistemas de dupla ou tripla ação, amortecedores à gás ou pressurizados, e até mesmo a eletrônica chegou aos amortecedores adaptativos. Atualmente, a Citroën desenvolveu os chamados Progressive Hybraulic Cushions, que consiste em amortecedores comuns capazes de agir em três estágios através da distribuição de fluído hidráulicos, proporcionando uma suspensão mais suave. Externamente, um amortecedor é composto de dois tubos, suportes, fixadores e cerca de 50 partes, funcionando com o princípio da hidráulica, onde o fluído é transportado de uma câmara inferior para uma superior. O fluído passa pelo pistão, controlado pela válvula de base, proporcionando o amortecimento dos movimentos do veículo. Apesar de sua importância, muitos equívocos sobre o equipamento ainda são propagados, sendo assim, é importante se manter informado sobre o funcionamento e a manutenção adequada dos amortecedores.