Uncategorized

Brasileiros obtêm visto de residência no Paraguai para comprar carros de luxo por preços menores

No Paraguai, a obtenção de visto de residência é um processo relativamente fácil e muitos brasileiros estão aproveitando essa facilidade para adquirir o documento de forma ilegal, a fim de poder comprar carros de luxo por preços menores no país vizinho. Enquanto no Brasil os carros chegam a custar o dobro ou mais, no Paraguai os preços podem ser até 50% inferiores. Apesar do risco de adquirir um carro roubado, há lojas paraguaias sérias e confiáveis que vendem carros usados importados de forma legal, provenientes de diversos países, a preços atrativos. Diferentemente do Brasil, onde a importação de carros usados é permitida somente para veículos com mais de 30 anos de uso, no Paraguai a exigência é de apenas 10 anos. Isso possibilita, por exemplo, a compra de um carro ano 2008 importado dos EUA a preços interessantes. O processo de obtenção da carteira de imigrante no Paraguai pode ser feito diretamente no setor de migrações mediante o pagamento de aproximadamente 450 reais, ou por intermédio de um despachante, ao custo de cerca de 2.000 reais, com prazo de entrega legal de quatro meses. Contudo, há relatos de que, através de meios ilícitos, o documento pode ser obtido em apenas 30 minutos, sem a necessidade de exames médicos. Muitos brasileiros que adquirem a carteira de imigrante alegam ter propriedades no Paraguai e declaram seus bens à Receita Federal brasileira via Imposto de Renda, justificando assim o uso dos carros paraguaios em território nacional. A estratégia de obtê-los no Paraguai visa burlar as regras da Receita Federal brasileira, uma vez que a importação legal de veículos estrangeiros envolve o pagamento de altos impostos, que podem chegar a 123% sobre o valor do automóvel. Apesar disso, a Polícia brasileira na região admite que é rara a apreensão de carros com placas estrangeiras dirigidos por brasileiros, dada a dificuldade em comprovar a irregularidade. Fonte: Gazeta do Povo via leitor Gabriel Palucoski