Uncategorized

Brasileiros recorrem a visto de residência no Paraguai para comprar carros de luxo a preços reduzidos

No Paraguai, a obtenção de visto de residência é um processo relativamente fácil para estrangeiros que desejam viver no país. No entanto, alguns brasileiros têm se aproveitado dessa facilidade de maneira ilegal, a fim de adquirir carros de luxo por preços significativamente mais baixos do que no Brasil. Muitos residentes de Foz do Iguaçu têm buscado essa alternativa para adquirir veículos no país vizinho, onde os preços chegam a ser inferiores a 50% do valor praticado no Brasil. Embora essa prática envolva o risco de adquirir um veículo roubado, há lojas paraguaias idôneas que oferecem carros usados importados de forma legal, provenientes de diversos países.
Ao contrário do Brasil, onde a importação de carros usados é permitida somente para veículos com mais de 30 anos de uso, no Paraguai a exigência é de apenas 10 anos. Isso possibilita a aquisição de veículos mais recentes a preços atrativos, como exemplificado pela possibilidade de adquirir um carro importado dos EUA, fabricado em 2008, por um valor interessante. Para os interessados em obter o visto de residência no Paraguai legalmente, o processo pode ser realizado diretamente no setor de migrações, mediante o pagamento de aproximadamente 450 reais, ou através de um despachante, com custos em torno de 2.000 reais. Com a documentação regularizada, esse processo leva cerca de quatro meses para ser concluído.
O uso dos carros adquiridos no Paraguai em território brasileiro tem sido um ponto controverso. Alguns compradores alegam ter o direito de uso do veículo em solo brasileiro, citando propriedades e bens devidamente declarados à Receita Federal brasileira. No entanto, a obtenção ilegal do visto de residência no Paraguai permite que os brasileiros comprem carros a preços mais baixos e os utilizem no Brasil sem o devido pagamento de impostos na importação. A estratégia tem como intuito contornar as regulamentações da Receita Federal, que impõe pesadas taxas e impostos sobre a importação de veículos estrangeiros. A falta de fiscalização por parte da Polícia brasileira na região fronteiriça tem contribuído para a continuidade desse cenário, uma vez que a escassez de apreensões de veículos com placas estrangeiras tem sido uma realidade devido à dificuldade em comprovar a irregularidade. Fonte: Gazeta do Povo, via leitor Gabriel Palucoski