Uncategorized

Diferenças entre o Honda Fit 1.4 e o Honda Fit 1.5: Qual vale mais a pena?

Ao decidir entre adquirir um Honda Fit com motor 1.4 ou 1.5, os consumidores se veem diante de escolhas que vão além das diferenças de motorização. Além do desempenho, os modelos apresentam distintos níveis de acabamento, o que pode impactar na tomada de decisão. Com a recente atualização do Fit 1.4, que ganhou potência, os preços entre as versões 1.4 e 1.5 se aproximaram, levando a dúvidas sobre qual é a melhor opção.

Ao comparar um Honda Fit 1.4 LXL automático com um Honda Fit 1.5 EX também automático, a diferença de preço é relativamente pequena, girando em torno de 3.800 reais, colocando-se na faixa dos 60.000 a 64.000 reais. Esse patamar de valor se aproxima do preço do Honda Civic, o que pode gerar questionamentos sobre investir tal quantia em um veículo compacto, mesmo com um motor não tão potente. No entanto, é possível fornecer uma visão geral que pode ajudar na escolha do modelo mais adequado.

Embora o custo adicional de cerca de 4.000 reais para o Fit 1.5 EX automático seja imperceptível para quem observa de fora, o proprietário poderá desfrutar de diferenciais como os indicadores nos retrovisores e rodas aro 16, característica exclusiva do modelo mais sofisticado. Ambas as versões do Fit possuem motores diferentes, porém, ao abrir o capô, é difícil perceber a distinção, já que o bloco é o mesmo, variando apenas o curso dos pistões.

No aspecto visual, a identificação do modelo pelo emblema na traseira também se torna desafiadora, uma vez que anteriormente o 1.4 apresentava detalhe vermelho e o 1.5, detalhe azul. Anteriormente, cada motor desempenhava um papel específico: o 1.4 era a opção econômica com 83 cavalos, enquanto a variante mais cara oferecia 101 cavalos, porém, a diferença de preço muitas vezes não justificava essa escolha.

Com a atualização, a diferença entre os motores diminuiu significativamente. Ambos os motores são VTEC e flex, sendo que o 1.4 agora oferece 101 cavalos, equiparando-se à potência anterior do 1.5. Por sua vez, o 1.5 atingiu 116 cavalos, proporcionando um desempenho bastante satisfatório. Além disso, o câmbio automático demonstrou agilidade e melhor tempo de resposta em comparação com o anterior CVT. A presença do sistema i-VTEC possibilita o fechamento de uma válvula de admissão quando o motor é pouco exigido, favorecendo a economia de combustível.

No entanto, apesar do aumento da potência, é importante notar que o Fit 1.4 ficou 100 quilos mais pesado, resultando em uma aceleração de 0 a 100 km/h em 15,3 segundos, um desempenho consideravelmente aquém do esperado para um veículo nessa faixa de preço. Embora mostre agilidade na cidade, o desempenho fica limitado. O Fit 1.5, por sua vez, realiza o mesmo teste em 13,5 segundos, também não apresentando um desempenho excepcional.

Uma característica positiva do Honda Fit, independente da versão escolhida, é a maneabilidade que proporciona um ato de dirigir menos cansativo. O veículo realiza manobras com facilidade, tem volante leve e conta com espelhos grandes, sendo considerado um carro otimizado para o público feminino.

Quando se trata de decidir se vale a pena investir cerca de 4.000 reais a mais para adquirir o modelo 1.5 EX, essa decisão não deve se basear exclusivamente na diferença de desempenho dos motores, uma vez que ambos consomem de forma semelhante. No entanto, quando se leva em conta os equipamentos adicionais presentes na versão EX, tais como rádio integrado ao painel, bancos em veludo, ar-condicionado digital, volante de couro e piloto automático, pode-se considerar que o valor adicional compensa a aquisição de equipamentos extras.