Uncategorized

Tudo sobre amortecedores: mitos e verdades

Os amortecedores são componentes essenciais do sistema de suspensão dos veículos, responsáveis por controlar o movimento das molas e manter os pneus em contato permanente com o solo, proporcionando estabilidade e boa dirigibilidade. Existe muita informação no mercado sobre essas peças, e é importante separar a verdade da ficção.

Mito: Passar por lombadas ou valetas com o veículo na diagonal pode gerar folgas excessivas, ruídos, empenamentos e até o travamento dos amortecedores.
Verdade: Substituir apenas um dos amortecedores de cada par (dianteiro ou traseiro) pode desequilibrar o veículo e prejudicar a dirigibilidade.

É indicado substituir os quatro amortecedores em conjunto ou, no mínimo, os pares em cada eixo.

Mito: O prazo médio recomendado para a verificação dos amortecedores é variável de acordo com as condições de uso do veículo.
Verdade: Amortecedores desgastados aumentam significativamente a distância de frenagem do veículo. Testes realizados pela Monroe indicam que amortecedores com 50% de desgaste podem aumentar a distância de frenagem em até 2,6 metros a 80 km/h.

Mito: Peças recondicionadas não têm eficiência e a recuperação das mesmas é uma armadilha para o consumidor.
Verdade: Amortecedores ineficientes afetam o contato entre o pneu e o solo, aumentando o risco de aquaplanagem. Carros com 50% de desgaste nos amortecedores começam a aquaplanar a 109 km/h, enquanto carros com amortecedores novos aquaplanam apenas após os 125 km/h.

Amortecedores em más condições comprometem a dirigibilidade, aumentam a fadiga do motorista em até 26% e podem provocar oscilações nos faróis, atrapalhando outros motoristas.

O amortecedor, essencial para a segurança veicular, foi criado em 1926 por August F. Meyer, fundador da Monroe. Inicialmente mecânico, evoluiu para um sistema hidráulico e, hoje em dia, há amortecedores eletrônicos e adaptativos. A Citroën desenvolveu os Progressive Hybraulic Cushions, que atuam em três estágios e permitem uma condução mais suave.

Externamente, um amortecedor é composto por dois tubos que se encaixam, suportes e fixadores. Internamente, contém cerca de 50 partes e funciona com princípios hidráulicos, controlando o fluxo de fluido para amortecer os movimentos da suspensão.

Após 30.000 km, um amortecedor terá acumulado 78 milhões de movimentos, e estudos buscam formas de aproveitar essa energia para contribuir para a redução do consumo de veículos elétricos.

Apesar de sua importância, ainda há muitos mitos sobre amortecedores, por isso é essencial buscar informações corretas e confiar em marcas de qualidade no momento da substituição.